Notícias

01 Jul 2021

Proteção em nuvem para os colaboradores em home office.

No cenário de pandemia que nos encontramos, a adoção do teletrabalho trouxe grandes benefícios para a sociedade, porém os ataques cibernéticos passaram a explorar esse ambiente que é mais vulnerável do que as redes corporativas. As pessoas e as organizações fizeram uma mudança muito grande na rotina de trabalho sem o respectivo ajuste na estratégia de segurança cibernética.

Já é sabido que o teletrabalho não é um modelo temporário, na melhor das hipóteses muitas pessoas passarão a ter um regime de trabalho híbrido, alternando o trabalho no escritório com o trabalho a partir de casa.

Se os ataques cibernéticos que estão ocorrendo hoje não fossem suficientes para justificar a reavaliação da atual estratégia e arquitetura de segurança cibernética das organizações, a evolução para um modelo de negócio mais digital, capaz de prosperar na era da informação, não deixa a menor dúvida que a resiliência cibernética passa a ser um eixo estruturante dessa nova dinâmica que já é pauta prioritária na agenda da alta direção.

Outros fatores que estão acelerando a necessidade de revisar a forma como as organizações enfrentam os ataques cibernéticos são o uso massivo de aplicações em nuvem, a escalada no volume dos dispositivos conectados, a internet das coisas (IoT) e o aceno que o 5G está chegando.

Leia a matéria na íntegra e descubra como a tecnoAtiva e a CheckPoint podem contribuir com a mitigação dos riscos de negócio proveniente do teletrabalho.

Link: https://lnkd.in/gWdwd4C